sábado, 28 de julho de 2012

Dia 6 - Tóquio

Apesar de termos dormido mais tarde ontem, hoje acordamos às 05:30. Ainda estamos jetlaguiados. Fui postar aqui no blog e acabei demorando a sair. Fred foi para o Kodokan e eu tomei café depois. Saí do hotel por  volta das 9:40 rumo ao Koishikawa Korakuen Garden. Como fica perto do hotel, nem precisei pegar metrô.

Na entrada tive que pagar 300 ienes, mais ou menos R$8,50. É um dos jardins mais antigos Tóquio e ocupa uma área de aproximadamente 71 mil m2. O jardim é conhecido por recriar em miniatura pontos famosos encontrados na China e no Japão.

Saí do jardim e fui caminhando até a estação de metrô Korakuen. Peguei um metrô para Ginza, para  ir de lá até Asakusa, onde fica o templo budista Senso-ji.

Assim que saí da estação de Asakusa notei a diferença nos arredores dos demais lugares que eu havia visitado. Muitos turistas! A saída da estação dá numa passarela cheia de restaurantes e lojinhas de lembrancinhas, a Nakamise-dori.

O templo é enorme. Foi fundado na metade do século XVII  em homenagem a uma imagem de Kannon, deusa da misericórdia, que foi encontrada por dois pescadores locais. A maior parte do prédio foi reconstruída no período do pós-guerra e foram feitos reparos com titânio em determinadas partes do templo para torná-lo resistente aos terremotos.

Fiquei andando ao redor do templo e encontrei outros pontos interessante mas negligenciados pelos turistas.

Assim que cheguei no Senso-ji, avistei a famosa Tokyo Skytree, uma torre de 634 metros de altura, inaugurada em maio de 2012. Depois de visitar o templo, decidi ir caminhando até a Skytree. Passei por uma ponte sobre o rio Sumida e notei a movimentação por causa da queima de fogos que haveria à noite, o Sumidagawa Hanabi Taikai. Essa queima de fogos tradicional relembra a cerimônia de abertura do rio que marcava o início da temporada de verão dos passeios de barco.

Fui caminhando e passei pelo Parque Sumida e pelo santuário Ujishima. Desde que saí de Ginza notei muitos jovens casais usando Kimono e tamanco de madeira. E à medida que fui chegando na região de Asakusa, e depois que fui caminhando para perto do rio, notei que todos os jovens  estavam vestidos assim. No parque esses jovens estavam espalhados sobre lonas, bem como nas margens do rio. Tudo isso para aguardar a queima de fogos.

Segui até a Skytree e subi umas escadas que davam numa pátio com um observatório aos pés da torre e com restaurantes.   Essa área estava lotadíssima, pra variar.

Decidi voltar para o outro lado do rio para pegar o metrô na estação Asakusa de volta.  Apesar de haver um estação na Skytree, fiquei com receio de pegar porque era um linha diferente (Tobu) da que eu vinha pegando.

Quando voltei ao parque Sumida para tentar atravessar observei que tudo estava fechado por conta da queima de fogos, inclusive a ponte pela qual eu viera.

Bateu aquele desespero. Já eram quase 16hs, Fred sairia do curso e não me encontraria. E pior: provavelmente a reabertura para travessia demoraria muito, já que a queima de fogos aconteceria umas 20hs. Perguntei a uma menina como eu poderia fazer para atravessa, ela disse que eu teria que ir caminhando até a outra ponte.

Lá fui eu caminhando, caminhando caminhando. Quando chego na outra ponte, havia um guardinha. Usando a linguagem de sinais e disse que queria ir pro outro lado. Ele deu um risinho japonês e fez um X com o braço. Depois em japonês ele disse um monte de coisa e apontou pra outra direção.

Decidi voltar para a Skytree para pegar algum trem na estação de lá. Eu já tinha descartado voltar a nado, porque o rio era muito largo e eu perderia as fotos do passeio :P

Ao chegar na Skytree, me dirigi até a estação e pedi informação a uma moça que trabalhava lá. Ela me explicou que havia um trem de 140 ienes que levava até Asakusa, justamente o ponto para o qual eu precisava ir. Dã! Teria economizado anos de vida se tivesse ficado na estação desde o começo da história...

Bem, peguei o trenzinho até Asakusa, de lá até Ginza e em Ginza peguei a linha Marunouchi até Korakuen.

Fui até o Kodokan encontrar Fred e voltamos para o hotel.

Caminhei tanto que nem tive condições de sair novamente à noite. E Fred também está quebrado por causa do Judo.

Já é domingo aqui. O dia começou e é hora de passear!

Koishikawa Korakuen Garden 

Cabacinha 





Foto forever alone 



Tokujin-do, a construção mais antiga do jardim 

Engetsu-kyo, também chamada ponte lua cheia por causa do reflexo na água 

Plantação de arroz 




É a temporada da flor de  lótus 





Nenúfar 


 Suco de acerola

 Tokyo Dome


Nakamise-dori 

:O 

Portão Hozomon 








 Pagode

 Hozomon





 Rio Sumida

Parque Sumida  

Santuário Ujishima 

 Lonas espalhadas pelo parque. A galera começou cedo a marcar lugar pra ver a queima de fogos

Indo em direção a Skytree 

 Otimização do espaço

 Aos pés da Skytree


Margem do rio Sumida com lugares marcados. Achei interessante que algumas pessoas marcavam o lugar só com uma fita adesiva no chão fazendo um X. A pessoa nem estava lá, mas sabia que o X marcado no chão garantiria que ninguém iria tomar seu lugar.

 Treino de futebol

 Gurizada treinando beisebol


Um comentário:

Wesley Teixeira disse...

Tire foto de um gato!