domingo, 29 de setembro de 2013

Dia 7 - New York

Amanheceu mais um dia lindo em NYC.

O plano era descansarmos até a hora do festival Global Citizen 2013. Como  Fred havia dito, após descobrirmos por acaso que o festival aconteceria no dia 28/09, fomos procurar ingressos (que foram  distribuídos, em sua maioria, gratuitamente). Lógico que não encontramos. Mas nosso amigo Vivas, muito esperto que é, deu a dia de procurarmos no Ebay. Acabamos achando dois ingressos por 100 dólares.

Durante a manhã, decidimos ir no Target aqui perto olhar umas coisinhas. Acabou que a gente se empolgou olhando coisas pra nossa filhota Luiza e perdemos a hora. Saímos do Target mais de 14h, sendo que os portões do festival abririam às 14h e os shows iniciariam às 16h. Nos arrumamos e fomos para o Central Park. Na estação em que normalmente pegamos metrô, a linha que utilizamos com maior frequência estava parada. Tivemos que seguir para uma mais distante. Como não sabíamos exatamente onde era a entrada do festival, paramos onde achávamos mais ou menos onde seria e fomos caminhando. Longa caminhada.

Descobrimos onde era a entrada, mas antes fomos almoçar. Já passava das 16h! Almoçamos fartamente em um BBQ e em seguida fomos tentar entrar. A essa altura o show de Kings of Leon  já acabara e em breve começaria o de Alicia Keys. Entramos numa fila quilométrica, mas que andava rápido. No meio da fila um staff do festival avisa que não é possível entrar com máquinas grandes. Mostrei a minha (que é uma point & shoot) e ele disse que confiscariam. Argumentei que não era profissional mas ele afirmou que não seria possível entrar com o diacho da máquina. A gente achou que seria exagero do cara e seguiu na fila. Depois a gente foi olhar no ticket quais eram as outras proibições e mais uma dessas proibições era backpack. Fred estava de mochila (a gente sempre sai de mochila), mas havia várias pessoas de mochila perto da gente e o cara não tinha avisado nada. Seguimos na fila.

Quando já estávamos perto da entrada a gente percebe pessoas voltando com o ticket na mão.  Abordo uma dessas pessoas e pergunto se  problema foi a mochila. O cara mega revoltado disse que gritaram com ele e não o autorizaram entrar justamente por causa disso. Um absurdo, visto que tinham bolsas femininas gigantes sendo autorizadas. Pra não perder a viagem, a gente decide sair da fila. Fred já estava tranquilo, perguntando para onde iríamos mas eu não desistiria tão fácil. Combinamos que ele voltaria para o apartamento para deixar a mochila e a máquina e eu esperaria. Ele foi.

Enquanto esperava Fred eu ouvia Alicia Keys cantar sucessos Fallin' e Empire State of Mind.

Como estávamos muito longe, Fred demorou bastante e voltou quase duas horas depois. Nessas longas horas, acabou o show de Alicia Keys e começou o de John Mayer.

Ele chegou assim que terminou o show de John Mayer. Corremos para entrar no festival para assistir ao show que mais esperávamos ver, o de Stevie Wonder. Conseguimos entrar, estava bem tranquilo, a estrutura era muito legal e o palco gigantesco. Cerca de uns 15 minutos depois que entramos, sobe ao palco nada mais nada menos que o ilustre Bono Vox para apresentar o show do não menos ilustre Stevie. O show de Stevie Wonder foi lindo, descontraído, divertido. Parecia que estávamos na sala da casa dele. Muito bacana. Um dos pontos altos do show foi quando, após um discurso inflamado contra a política de armas de fogo nos EUA,  Stevie cantou Imagine, prestando homenagem a John Lennon, que morreu assassinado a poucos metros de onde o show acontecia, na entrada do Dakota Building.  

No meio do show sobe ao palco Ban Ki Moon, Secretário Geral da ONU, para discursar sobre a importância do festival, a luta contra a pobreza, contra as desigualdades e que, antes de qualquer coisa "UN stars with U". :)

O show seguiu, Janelle Monáe deu uma palhinha com Stevie e ele cantou mais alguns sucessos como Ma Cherri Amour, Isn't she lovely e I just called to say I love you.

Apesar dos contratempos, valeu a espera. Dançar com Fred (e Luiza) ao som de Stevie Wonder cantando "I just called to say I love you" no meio do Central Park numa linda noite de outono foi lindo :).

Saímos do show na mais pura tranquilidade, sem correria e sem empurra-empurra e procuramos um restaurante. Comemos no Spring Natural Kitchen, muito bom por sinal, e voltamos pro apê.

That's all folks!


Sky blue sky


Comidinha básica no BBQ


Light

 Fila...





A foto tá péssima mas aí é Bono


Stevie




Ban Ki Moon



3 comentários:

Wesley Teixeira disse...

(y)(y)(y)(y)(y)(y)

Elza disse...

Que maravilha,ufa hoje foi demais Stevie Wonder com 63 anos é um homem que tem história pra contar a sua limitação física nunca foi obstáculo para o seu sucesso.bjs amo vcs

Maurício Vivas disse...

"Empire State of Mind" ao vivo no Central Park deve ter sido massa. :)